google-site-verification: googled7257398dba650b7.html

sábado, 14 de janeiro de 2012

Óleo de copaíba – Um antiinflamatório consagrado pela medicina popular


Antes do Brasil ser invadido e colonizado por Portugal, o óleo de copaíba já era conhecido e utilizado por aqui. Conta a história que observando os animais, que esfregavam seus corpos no tronco da copaibeira quando estavam feridos, os índios perceberam que a árvore tinha propriedades terapêuticas. Assim começaram a experimentar em si mesmos, e deu certo.

Primeiro serviu para combater doenças de pele e tratar picadas de insetos, depois para curar ferimentos dos mais variados tipos. Derivada do tupi guarani kupa’iwa, que significa tronco de planta, a copaíba logo se tornou uma das principais plantas mais utilizadas pelo homem para tratar de suas enfermidades.

As copaíbas são árvores nativas da região tropical da América Latina e da África Ocidental. No Brasil é encontrada principalmente na região Amazônica e no Centro-Oeste. O óleo de copaíba é basicamente uma resina coletada do tronco da copaibeira. Através de incisões no tronco, se extrai a resina. A partir da resina, se produz o óleo.

Mais tarde, quando o Brasil já estava colonizado, o óleo da copaíba começou a ganhar novas aplicações. Antisséptico das vias urinárias e respiratórias, tratando doenças como a asma brônquica. Prevenção e combate do tétano e de doenças de pele, como a psoríase.

Diversos componentes da copaíba apresentam atividade farmacológica cientificamente comprovada. Um deles é o beta-cariofileno, que atua como antiinflamatório e protetor da mucosa gástrica, solucionando problemas de azia, úlcera e gastrite.

Para ter uma idéia do poder da copaíba, quando comparada ao diclofenato de sódio, ela se mostra duas vezes mais eficiente que o medicamento em sua ação antiinflamatória. “A potência da copaíba se mostrou maior, porque com uma dose menor, obtivemos a mesma equivalência terapêutica", diz Mônica Freiman de Souza Ramo, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP.

Mas o potencial farmacológico da copaíba não pára por aí. Estudos recentes revelam que, além de imensamente útil para infecções e inflamações em geral, por sua excelente ação cicatrizante, a planta também tem ação expectorante, antimicrobiana e é indicada no tratamento de inúmeras enfermidades. Feridas, eczemas, urticárias, furúnculos, seborréias, afecções da garganta, tosse, gripe, disenteria, incontinência urinária, corrimento vaginal: quase tudo pode ser tratado com a copaíba.

Ela é tão eficiente que ainda tem sido usada contra o vírus HPV, principal causador do câncer do colo do útero, e o Mal de Chagas, que provoca lesões no tecido do coração e dos órgãos do aparelho digestivo. São tantas aplicações e utilizações, bem como propriedades terapêuticas, que a copaíba acabou se tornando uma planta consagrada pela medicina popular. 

E pra completar, recentes pesquisas apontam que a copaíba pode ser uma das novas esperanças contra o câncer. O Instituo de Química (IQ) e o Centro de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (PQBA) da Unicamp chegaram a conclusão de que é possível sintetizar uma substância chamada hyrtiosal a partir do óleo de copaíba. Segundo os estudos, o hyrtiosal tem a capacidade de agir contra células cancerígenas, especialmente as responsáveis pelo câncer de ovário, próstata, rins, colon, pulmão, mama e inclusive leucemia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário